Conforme a tecnologia vai crescendo exponencialmente enquanto setor, a demanda por profissionais Desenvolvedores também aumenta.

Não à toa, cada vez mais indivíduos estão fazendo transição para a área de programação, seja por frustração profissional, seja pelas grandes oportunidades que a área de tecnologia oferece.

Seja qual for a hipótese em que você encaixa, uma coisa é certa: é preciso se preparar e estudar!

Uma dica essencial é procurar um curso para formar programadores que esteja antenado às demandas de mercado, com metodologia ativa, muitos exercícios práticos e composto por profissionais que atuam como desenvolvedor (front-end, back-end, full stack e mobile).  Esse será o seu diferencial para alcançar o sucesso que você almeja.

Mas a escolha de um curso em programação não é tão fácil. Por isso, trouxemos sete dicas do que observar para fazer uma excelente escolha.

1.Aprenda com quem sabe fazer

Aprenda a programar com sabe programar

Busque um curso que tenha professores que atuem como programadores no dia a dia, que atendam clientes e façam projetos utilizando metodologias ágeis.

Estes profissionais sabem muito além da teoria e vão te orientar como colocar em prática o aprendizado na sala de aula, usando exemplos e cases reais!

Os facilitadores que estão ativamente no mercado tendem a conhecer as tecnologias mais modernas para cada tipo de projeto.

2. Metodologia

Às vezes temos a sensação que somente com aulas presenciais é que aprenderemos de verdade. Mas está na hora de desmistificar! Uma das maiores formas de aprendizado é a aula particular, porque respeita o seu ritmo.

As aulas gravadas possuem essa característica: é possível pausar, acelerar e assistir às aulas de novo quantas vezes achar necessário. Inclusive, fazer atividades seguindo o passo a passo do professor!

Mas além da aula, é preciso o contato humano para tirar dúvidas e te guiar nas melhorias do seu código. Por isso, além de um curso com aulas gravadas, verifique se ele possui um suporte de professores ou monitores para te ajudar sempre que você precisar, sem demora!

Se você é daquelas pessoas que não tem disciplina em cursos online, o ideal é ter uma frequência e horário fixo para as aulas. Alguns cursos já determinam o horário que você deve assistir a aula.

3. Além de códigos

Todos os profissionais que estão inseridos no mercado sabem que o trabalho de desenvolvedor vai muito além de codar.

É essencial que você saiba se relacionar bem com o cliente, comunicar-se de forma escrita e oral, negociar e entender de metodologias ágeis. São as conhecidas Soft Skills, um diferencial na hora do recrutamento.

Além disso, outros conteúdos adicionais e bastante relevantes são LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) e como usar o LinkedIn para se posicionar profissionalmente.

Verifique a ementa do curso que você está interessado!

4. Áreas de atuação em Programação

Se você não sabe nada de programação, provavelmente ainda não sabe qual será sua stack de atuação. Por isso, o curso escolhido deve ter uma trilha de conhecimento em que você aprenda tanto sobre as atividades e linguagens de front-end quanto de back-end.

Se você se identificar com as duas áreas, não tem problema! Busque aprofundar ainda mais seu conhecimento e se torne um dev full-stack – que é até mais valorizado pelo mercado.

5. Formas de Pagamento

Os cursos na área de programação exigem dedicação e organização financeira. Se você, no momento, não pode pagar diretamente o curso, busque um curso que tenha a opção ISA, Income Share Agreement, também conhecido como Sucesso Compartilhado.

Nesta modalidade de financiamento estudantil, o estudante primeiro faz o curso e só começa a pagar quando tiver uma renda. Ou seja, você realmente só paga se tiver sucesso!

Se quiser entender melhor como funciona o Modelo de Sucesso Compartilhado, é só clicar aqui.

6. Nota de satisfação dos ex-alunos

Pesquise o que os ex-alunos acham do curso, qual a nota de satisfação e se eles já estão atuando no mercado.

O sucesso dos ex-alunos, assim como a satisfação deles, é um termômetro muito importante para avaliar se aquele curso realmente tem o cuidado de formar profissionais prontos para o mercado de trabalho.

7. Suporte pós-curso

O que acontece depois que você terminar o curso? Essa é uma pergunta muito importante a ser feita. Alguns cursos oferecem suporte aos ex-alunos, além de parcerias com empresas.

Busque um escola que tenha um programa como uma residência, estágio ou trainee. Isso vai te ajudar a ganhar experiência no mercado e enriquecer seu portfólio.


Se você chegou até aqui, e já sabe como escolher um bom curso para aprender a programar, vamos te convidar para conhecer nosso curso Programação do Zero da Cubos Academy. Utilizamos a experiência de sete anos da Cubos Tecnologia e compartilhamos este conhecimento em sala de aula.

Se ainda quer mais informações para tomar esta decisão, acesse o link com a Ementa do Curso Programação do Zero ou acompanhe o que as pessoas falam da gente em nossas Redes Sociais (Instagram, LinkedIn, Youtube e Facebook).

Esperamos você em breve na sala de aula, transformando a realidade por meio da tecnologia!

Conheça o curso Programação do Zero