A transição de carreira para Product Manager (PM) é um movimento muito interessante a se fazer, pois poucas áreas na tecnologia são tão versáteis quanto a área de Produto, que permite que diversas habilidades adquiridas em outros backgrounds sejam aproveitadas: engenharia, marketing, vendas, desenvolvimento de software (...). Esta transição é possível mesmo com nenhuma vivência de mercado, afinal, não são apenas as experiências profissionais que contam.

Como a área de Produto de uma empresa varia de acordo com o modelo de negócio e escopo do produto em si, é comum existirem diversas dúvidas sobre esta área, já que ela se mostra tão ampla.

Neste texto, vamos esclarecer essas questões e mostrar o que é comum à maioria dos Product Managers e outras profissões da área de Produto. Você vai entender também o que faz a pessoa PM, a pessoa PO, e outras funções que você pode nem conhecer ainda. Mais importante de tudo, vamos te contar como se tornar uma pessoa PM! Fique aqui até o final. :)

Como é o dia a dia de uma pessoa de Produto?

A área de tecnologia como um todo cresceu muito rápido nos últimos anos, provocando uma carência de profissionais qualificados no mercado. Justamente por isso, as empresas precisam se adaptar às novas jornadas de trabalho e aos benefícios associados ao bem-estar dos colaboradores, inclusive como diferencial na aquisição de talentos.

Dessa forma, muitos profissionais trabalham no melhor horário que conseguem produzir, seja de manhã, à tarde ou à noite, desde que isso não impacte na entrega programada.

Por conta também da conjuntura mundial de pandemia, a flexibilidade geográfica e de horários passou a ser comum nos ambientes de trabalho. Via de regra, o dia a dia de uma pessoa de produto depende muito mais das entregas que precisam ser feitas do que do cumprimento de horários específicos de trabalho. Claro, não podemos afirmar que isso ocorre em 100% dos casos, mas tem sido uma forte tendência das empresas!

A pessoa de Produto será cobrada pelas entregas previamente acertadas, e em sua maioria, entregas conjuntas com um time. Time este que não envolve somente outras pessoas de produto, mas também de Design e Engenharia de Software (desenvolvimento).

É importante mencionar que pessoas de Produto, principalmente Product Managers, estão dentro da área de negócio das empresas, em constante contato com outros profissionais como C-Levels e pessoas da área comercial, que possivelmente têm horários de trabalho pré-determinados. Sendo assim, é preciso achar o equilíbrio entre a liberdade de horários e as necessidades do negócio, que variam a cada empresa.

Ritos e Dinâmicas específicas da área de Produto

Existe um rito bem específico da  área de gestão de produto: a daily. Dailies são reuniões diárias, nas quais o time inteiro do produto se reúne para alinhar as entregas do dia e reportar como foi o dia anterior - se houve alguma dificuldade ou se algum auxílio é necessário - e cada pessoa deve falar de maneira bem sucinta, focando nos problemas que podem ser resolvidos, para que a reunião não se estenda muito.

Algumas dinâmicas do time de UX/UI Design também são comuns e importantes no dia a dia de um Product Manager, como as entrevistas e pesquisas de discovery e o teste de usabilidade do produto. Essas dinâmicas possibilitam um melhor entendimento sobre o o consumidor, sobre como ele interage com o produto, qual a melhor forma de atendê-lo e quais as suas dores, garantindo o desenvolvimento de um produto de valor para o usuário.

Através deste estudo profundo do usuário e do consumidor é possível entender quais dores as pessoas procuram resolver através do seu produto, e aí entra uma famosa teoria de produto chamada Jobs To Be Done: como descobrir por que as pessoas compram?; se você quiser se aprofundar no tema, esse texto vai te ajudar bastante.

Além desse texto, tivemos uma aula ao vivo super legal sobre o mesmo tema, e que pode enriquecer bastante o seu início nesta jornada de produto:

Por que as pessoas compram o que compram? Uma aula completa sobre Jobs To Be Done.

Quais são as competências necessárias para uma pessoa de Produto?

As competências necessárias para uma pessoa de Produto são divididas em dois grupos: habilidades comportamentais (soft skills) e competências técnicas (hard skills).

Sobre habilidades comportamentais, skills interessantes de serem desenvolvidas por Product Managers e Product Owners são:

  • oratória;
  • organização;
  • trabalho em equipe;
  • liderança;
  • empatia.

Pessoas da área de Produto estão em constante comunicação com outras áreas e pessoas, tratando de estratégia de negócio, de modo que são um ponto de conexão entre desenvolvimento, design, C-Levels e até outras unidades da empresa.

A gestão de Produto é uma área que está na interseção entre Design, Negócio e Tecnologia, que serve para garantir que o produto seja factível, usável e entregue valor para usuário e para empresa.

Por essas responsabilidades tocarem diferentes setores da empresa, a pessoa de produto tem que ter um mindset independente, de modo que não esteja exageradamente próximo desta ou daquela área, pois isso pode gerar um produto enviesado por uma dessas disciplinas e distante de outras.

É importante que se consiga retirar o viés para tomar as melhores decisões para o produto!

Uma famosa imagem sobre a representação da área de gestão de produto dentro de uma empresa

Já em relação às hard skills, existem as 5 habilidades técnicas específicas para uma pessoa de produto que Bernard De Luna cita, e que possibilitam a formação de diferentes perfis de pessoas de Produto:

  • Competência em Negócios - entender o negócio, compreender o seu modelo, acompanhar a evolução do mercado e do produto neste contexto;
  • Entendimento Técnico - conseguir traduzir para o time todas as falas de engenharia, trazer clareza sobre o que é necessário na feature que precisa ser implementada, o seu valor, e colocar isso em termos de desenvolvimento também;
  • Princípios de Design - entender sobre usabilidade, testes, prototipação, experiência do usuário, técnicas de design thinking, para ser possível entregar um produto de valor;
  • Análise e Pesquisa - saber analisar, entender sobre dados de negócios e produtos, quais métricas medir, o que impacta diretamente; tem se tornado cada vez mais importante até para comunicação com C Levels, sendo possível análises de resultados e levantamento de hipóteses sobre problemas;
  • Táticas de Marketing - entender de performance de mídia, canais de aquisição e comunicação, lançamento de produtos e features.

Todas essas habilidades são importantes, mas isso não significa que a pessoa Product Manager ou Product Owner precisa ser especialista em todas as cinco.

É necessário saber o básico, se especializar em algumas dessas skills e, ao longo da carreira, ir se desenvolvendo, aprimorando e até mudando as especialidades de acordo com o contexto de empresa e de cargo.

É importante também compreender o próprio perfil dentro dessas competências, saber as suas forças e ter em mente que para cada tipo de produto, existem competências que vão se encaixar melhor que outras.

O cenário de Produto cresceu muito nos últimos anos, e isso deu base para o desenvolvimento de diferentes funções na área de Produto como PM (Product Manager), PO (Product Owner), GPM (Group Product Manager), CPO (Chief Product Officer), entre outras.

Tendo isso em vista, fica ainda mais difícil delimitar as habilidades técnicas mais importantes para uma função de Produto, porque isso vai variar entre as posições e a área de atuação da empresa que a pessoa irá trabalhar.

Diferença entre Product Owner (PO) e Product Manager (PM)

O Product Owner é voltado para operação dentro do squad, no dia a dia, com um olhar mais focado para uma parte do produto, priorizando as entregas e dando cadência ao desenvolvimento, em um ciclo de tempo menor.

Já a pessoa Product Manager é mais alinhada à estratégia a longo prazo, ao seu desdobramento dentro dos times de produto, olhando também para o mercado. Este profissional é responsável por observar o produto como um todo, encaixando todas as suas partes e garantindo que estejam alinhadas.

As diferenças entre PO e PM vão depender muito da maturidade da empresa e do escopo do projeto, pois em produtos com escopos muitos amplos, é comum que PM's e PO's trabalhem juntos; mas por vezes, a mesma pessoa (normalmente com um cargo de PM) acaba exercendo as duas funções, pois a área ainda está em crescimento dentro da empresa, por exemplo.

Mas você sabia que esses não são os únicos cargos possíveis dentro da área de Produto?

Outras funções que uma pessoa de Produto pode ter

CPO - Chief Product Officer - É a pessoa Diretora de Produto, responsável pela sua concepção, que tem também como função garantir a inovação desse produto, e a compreensão, através de análises do mercado e da Visão e Missão da empresa, de para onde o produto consegue crescer.

Entender as oportunidades do mercado e traçar as macro estratégias para atingir esses objetivos também é função da pessoa CPO. Ela precisa ter um relacionamento muito próximo com a pessoa CTO (Chief Technology Officer), para entender as limitações reais de desenvolvimento e para conseguir planejar de maneira inovadora, mas também factível.

GPM - Group Product Manager - É a pessoa líder de um ou mais PM's, normalmente costuma ser líder de uma tribo, ou seja, um conjunto de squads que estão trabalhando para o mesmo fim específico do produto.

É responsável pelo alinhamento dos squads, garantindo um impacto maior com essa sintonia. Também é uma forma de “granular” a liderança, tendo ela mais perto do PM's, sem necessariamente precisar resolver tudo com CPO's ou Heads de Produto.

Calma, caso você não esteja entendendo alguns termos que estão sendo usados aqui, veja o nosso Dicionário de Gestão de Produto, lá você encontrará a definição de vários desses termos.

APM - Associate Product Manager - É uma pessoa PM Júnior que está começando na sua formação, pode ter vindo de outra área da empresa, mas ainda não tem todas as habilidades para definir estratégia, olhar para o mercado, tocar um produto inteiro ou desenvolver a visão de um produto, por exemplo.

Este cargo normalmente atua junto com uma pessoa PM ou PO, mais experiente, e o intuito é ajudar a pessoa APM a crescer e se desenvolver, tornando-se um(a) profissional mais completo(a). Está sendo cada vez mais comum ver empresas abrindo vagas de APM, e é uma boa oportunidade para quem quer começar na área.

Você pode conferir o conteúdo deste texto e muitas outras dicas bacanas no Webinar que fizemos, com dois convidados da área de Produto, que falaram sobre os principais pontos da carreira na área:

Com tantas possibilidades dentro de uma mesma área, é comum sentir certa ansiedade ao pensar em que papel desempenhar, ou mesmo se a transição de carreira é possível.

Como lidar com a "Síndrome do Impostor" na transição de carreira para Produto?

A "Síndrome de Impostor" não é algo incomum, tampouco fácil, principalmente quando se está em transição de carreira.

Primeiramente, é importante destacar que nada da sua experiência de vida é perdido, independente da idade - todas as situações vividas (pessoal e profissionalmente) dão a você uma expertise que pode, sim, ser aproveitada no seu novo novo rumo profissional, e assim funciona para um cargo na área de produto.

Cada profissional tem a sua “caixinha de ferramentas” e um jeito próprio de usá-la. Quem  está começando na área talvez ainda não tenha todas as ferramentas que profissionais seniores têm em sua “caixa”, mas tem outras competências.

É importante se conhecer, se entender, saber onde está, dar sempre o melhor de si, saber que o possível está sendo feito e acreditar cada dia que se inicia é uma oportunidade de se desenvolver ainda mais.

Todos nós temos habilidades e competências que constroem o nosso perfil profissional, e sempre existirão assuntos que serão dominados com menor ou menor facilidade, e tudo bem, faz parte! Além disso, é possível aprender e desenvolver habilidades necessárias para a função, assim como pedir ajuda a outras pessoas mais experientes, afinal, ninguém está sozinha(o).

Se você está começando a fazer esse movimento de transição de carreira, aqui vai uma dica: perceba os seus pontos fortes, aquilo em que você é bom, veja o papel que você quer ocupar e faça a análise daquilo que você ainda precisa desenvolver ou melhorar para chegar nesse lugar.

Faça uma auto avaliação, se dê notas de 1 a 5 nas competências que elencamos no tópico acima e entenda onde você está agora! Mas antes de decidir desenvolver todas as habilidades, invista naquela em que você teve a melhor nota, aprimore sua especialidade e depois parta para a segunda nota mais alta. Assim você estará se preparando de forma mais rápida e estratégica para ocupar um cargo que tenha mais a ver com o seu perfil.

Contudo, é importante frisar: caso estas inseguranças na transição de carreira estejam te impedindo de avançar com as suas tarefas, procure um profissional que possa te ajudar da melhor forma, afinal, saúde mental deve ser uma prioridade!

Como fazer a transição de carreira para a área de Produto?

Para fazer a transição de carreira para área de Produto, como você deve saber, o primeiro passo é estudar. Para isso, existem dois caminhos.

Um deles é o estudo independente, através de fontes na própria internet, como influenciadores, artigos, autores nas redes sociais e conteúdos “soltos”, que não necessariamente seguem uma linha lógica para o melhor desenvolvimento do aprendizado.

A outra forma é através de cursos de formação de PM's, com uma estrutura estabelecida, plano de estudo, cronograma do curso, alinhando teoria e prática, te preparando para o mercado de trabalho e focando não apenas nas hard skills, como também nas soft skills.

A Cubos Academy é uma escola de tecnologia que tem como missão transformar a realidade por meio da educação, e a nossa formação para Product Managers, o Product World, é uma experiência completamente gamificada.

Você vai conhecer diferentes mundos, passando por diferentes fases, construindo e explorando o Product Manager que existe dentro de você. Tudo isso focado na empregabilidade, porque focamos no que o mercado lá fora exige!

Por falar em empregabilidade, somos a única escola de tecnologia que conta com um programa específico que te conecta diretamente com o mercado de trabalho: a Residência de Software.

Após a conclusão do curso, caso o estudante ainda não tenha conseguido um emprego na área, nós podemos oferecer uma oportunidade para continuar a especialização através da Residência, que permite a realização de trabalhos reais para clientes reais, mediante supervisão de líderes técnicos e remuneração para os residentes.

De fato, nós conectamos nossos estudantes ao mercado de trabalho! 😍

Quer saber mais sobre o nosso curso? Acesse agora a página do Product World.